Prática do tênis na primeira infância!

Prática do tênis na primeira infância!

Tire suas dúvidas e entenda porquê o tênis é uma excelente escolha para seus filhos!


A iniciação da criança no esporte pode ser um grande desafio na cabeça dos pais ou responsáveis. Não só em relação à escolha da modalidade, mas também à idade apropriada, materiais e os benefícios que aquela prática trará aos pequenos.


O esporte em si já traz uma série de benefícios, independentes da modalidade. O processo de formação óssea, muscular, bem como o desenvolvimento cognitivo, motor e afetivo/social da criança sempre serão fatores alavancados pela atividade física. As aulas trazem muitas oportunidades para a criança ajudar na criação de jogos, brincadeiras e trabalhar em equipe. Porém, é claro, aqui vamos defender o tênis e mostrar o que o torna um esporte tão completo e porquê você o escolheria para a seu filho.


O jogo de tênis é relativamente complexo em seus diversos aspectos. Embora para as crianças o jogo possua diversas adaptações, ele não perde sua essência. A prática exige um amplo desenvolvimento das habilidades motoras. A força muscular é constantemente trabalhada em todas as partes do corpo através de movimentos como rotação de quadril, saltos, técnicas dos golpes, além do fortalecimento do coração, constantes mudanças de direção e trabalhos de resistência.


O equilíbrio também é muito trabalhado, durante pontos e bate-bolas mudamos constantemente de direção, transferimos o peso de uma perna para outra, passamos praticamente o tempo todo na ponta dos pés, além dos saltos e retorno ao solo. O jogo tem duração com base em pontos, não em tempo, o que torna o tempo em quadra incerto, o jogador precisa aprender a ter total controle do seu corpo e mente para permanecer no jogo não importa o que aconteça.


Mente? Sim! Um dos maiores fortes do tênis é o trabalho mental. A criança vai estar constantemente inserida em situações onde são necessários raciocínio lógico, alta velocidade de reação, tomada de decisões, enfrentar adversidades e traçar estratégias. Isso tudo em um único ponto do jogo. Essas qualidades é que tornam o esporte especial, são elas que farão com que a criança desenvolva autonomia, caráter e senso ético. Ela vai aprender a encarar as consequências de suas próprias decisões, administrar seus próprios erros, colocar a si mesma e ao outro em perspectiva e analisar circunstâncias. Além disso, erros e jogos perdidos ensinam a trabalhar frustrações a seu favor, aprendendo assim a contornar situações difíceis e se encarar novas lutas de frente.


O tênis também é um esporte muito rígido em relação à disciplina. Os torneios e aulas têm horários certos que precisam ser respeitados. O atleta precisa ter compromisso com sua agenda e com as pessoas a sua volta, não só os adversários, como a sua equipe, organizadores, técnico e todos os outros com quem vai se relacionar. Esses quesitos vão fortalecer sua capacidade de se relacionar socialmente e fazer amigos, capacidades que também serão colocadas à prova em aula. É aconselhável que crianças pratiquem em grupo em um primeiro momento, isso ajuda a manter o interesse, pois torna tudo mais divertido e estimulante.


Todos esses benefícios citados tornarão seu filho mais responsável, independente, inteligente, bem como mais sociável e saudável, física e psicologicamente. Dito isso, qual a melhor idade pra se iniciar? Nunca é tarde! Mas se seu filho ainda é bem pequeno e você está pensando nisso com antecedência, especialistas recomendam entre 3 e 6 anos, dependendo do desenvolvimento da criança.


Entre 1 e 5 anos de idade a criança está no que chamamos de primeira infância, isso significa que seu Sistema Nervoso Central ainda está em desenvolvimento, o que torna muito mais fácil assimilar novos padrões de movimento. Por isso, é muito importante que a criança tenha contato com atividades que o farão ampliar suas habilidades motoras, desde as mais delicadas, até as mais expansivas.


Obviamente, que uma criança de 3 anos terá um contato totalmente diferente, apenas brincando com os materiais, pois, normalmente, ainda é muito jovem para trabalhar qualquer complexidade. Entre 5 e 6 anos, ela já apresenta maior habilidade motora e capacidade de raciocínio para iniciar suas primeiras aulas e joguinhos.


Está achando muito novo? Vamos às provas!


A ex-número 1 do mundo, Martina Hingis, já teve seu futuro planejado pela mãe antes mesmo de nascer. E teve seus primeiros contatos com o esporte aos 2 anos. Aos 4 já estava inscrita em seu primeiro torneio. Quando chegou aos 12 anos, tornou-se a mais jovem tenista a vencer o torneio juvenil de Roland Garros (1992). Aos 17 qualificou-se como número 1 do mundo.


Não quer dizer que você deva determinar o futuro do seu filho por ele, isso raramente dá certo. E como já foi dito, o tênis vai torná-lo muito capaz de tomar suas próprias decisões e ser independente.


Além de Hingis, temos outros famosos exemplos. Vênus e Serena Williams iniciaram os treinos com o pai quando tinham 6 e 5 anos, respectivamente. Estrearam profissionalmente aos 14 anos e chegaram ao topo do ranking aos 22 e 21 anos. André Agassi iniciou com aproximadamente 3 anos. Gustavo Kuerten (Guga) já estava em quadra aos 6. Maria Esther Bueno aos 3, iniciou nas categorias adultas aos 14 e conquistou seu primeiro título internacional aos 19. Trazendo para o presente, a nova atleta que está deixando todos impressionados, Cori Gauff, aos seus 15 anos já é um fenômeno, e ocupa a 141º posição do ranking mundial.


Nas aulas de tênis é importante que a criança não demore muito para ter seu próprio material. Roupas que favoreçam o movimento, tênis de sola baixa e flexível com reforço nos tornozelos e laterais do pé, para evitar torções. E, é claro, sua própria raquete. A raquete deve ser comprada de acordo com a altura e idade da criança, o próprio professor pode aconselhar os pais nesse quesito. O cuidado com o material é mais uma fonte de aprendizado para a criança, é importante que ela entenda que tudo aquilo é responsabilidade dela.


A prática para crianças é sempre muito lúdica. Os movimentos e técnicas do esporte serão praticados em situações divertidas e que despertem mais interesse e entusiasmo. Treinos muito técnicos e repetitivos desanimam o aluno quando muito jovem, a seriedade das aulas progride de acordo com o amadurecimento do atleta. Os materiais também fazem parte dessa lógica. Existem bolinhas de pesos diferentes, redes de alturas adaptadas e quadras de áreas variadas. Tudo para tornar os desafios do jogo atingíveis e a evolução da criança natural e prazerosa.